Pesquisar este blog

Confirmado: O Acre existe e sabe fazer hino

No ano passado eu escrevi um texto que surpreendeu muita gente. Naquele texto eu demonstrei que o Acre existe. Aliás, não só que o Acre existe como, ao contrário de São Paulo, tinha água. Mas, será que, além do Acre existir, ele possui um hino?

Sim, amiguinhos. Não são só países e times de futebol que possuem hinos. Estados e cidades também possuem hinos. Realizei uma busca pelos hinos dos estados e cidades brasileiras. Graças a esses tempos de Google e YouTube, a busca não foi hercúlea e achei rapidinho o que procurava.

Gente!!! Não só o Acre existe, como tem água e tem um hino belíssimo. Muito bonito mesmo. Quem duvida de mim, que o ouça então:
E aí? Não é bonito? Pelo menos eu achei. Tem uma letra belíssima (tudo bem que é longa. Continua sendo linda), uma melodia maravilhosa, uma harmonia fantástica e ainda por cima a cantora (que se chama Raquel Ribera) deu um show de bola de interpretação. Quase que fui às lágrimas. Malditos ninjas invisíveis cortadores de cebolas.

Já hino do estado de São Paulo? Bem, eu não diria que o hino de São Paulo é feio. Eu diria que é muito feio, horrendo, horroroso, pavoroso, medonho. Que me perdoem os nacionalistas paulistas extremados e extremistas (também se não quiserem me perdoar, estou evacuando e ambulando para vocês), mas é muito ruim. Quem quiser ouvi-lo, clique por sua conta e risco nesse link. Não me responsabilizo por eventuais consequências. É completamente o contrário do hino acriano. Letra horrível, melodia horrível, harmonia horrível, métrica horrível e a interpretação é medonha. Tanto que coloquei uma versão legendada, senão não dá para entender patavinas do que é cantado. O que deu impressão é de que socaram tantas referências históricas que não deu tempo para pensar na musicalidade.

Eu me indagava porque em alguns estados, nas partidas de futebol, depois do hino nacional, tocava o hino estadual, mas em São Paulo isso não acontecia. Ou então porque eu jamais aprendi o hino paulista na escola (acho que nem meus pais aprenderam o hino paulista na escola e se bobear nem os meus avós). Tive essas perguntas respondidas da maneira mais traumatizante possível. Meus ouvidos quase fugiram. E tem gente que falou "Ah! O hino do [nome do estado] é muito mais bonito!". Mas é óbvio! Qualquer coisa é melhor que essa bosta.

E já que estamos falando de hinos e de São Paulo, aproveitem também para ouvir o hino da cidade de São Paulo. Ei-lo. É um pouquinho melhor. É tão somente ridículo, que me perdoem os paulistanos nacionalistas extremistas e extremados (e novamente, se os piratas do Tietê não quiserem me perdoar, estou defecando e ambulando). A música de fundo parece mais trilha sonora do Gordo e o Magro. Tudo bem, é um hino extraoficial, mas ainda sim, vale.

Já que o Acre existe, poderia ensinar aos paulistas como se faz um hino. Ensinar noções de melodia, métrica, letra, harmonia, entonação, interpretação, cadência. E principalmente consertar esse verso ridículo "doma os índios bravios". Com bacamarte, arcabuz, mosquete ou garrucha até eu.

Já para os paulistanos, não precisa ir tão longe assim. Pode pegar algumas dicas aqui, aqui e aqui.
 

Eu sei quem você é

Em sei quem você é, de onde você é o que você está usando para acessar a Internet. Duvida? Então toma:


Powered by IPAddressLocation.org

Se quiser me xingar, vai em frente. Mas o seu IP ficará registrado.

Feeds do blog

Assine o feed do blog
Assine o RSS.

Insira seu e-mail:

Delivered by FeedBurner

Onde me encontrar

Onde podem me encontrar

Histórico

Texto aleatório

ALEA IACTA EST