Pesquisar este blog

Artigo 11, artigo 13 e o desespero de quem vai ter que buscar emprego.

Ultimamente eu só tenho vindo aqui para o blog quando aparece alguma excepcionalidade. Dessa vez não será diferente. É o seguinte, senhoras e senhores. Eu já vi várias vezes youtubeiros e o próprio YouTube ter chiliques. As vezes chiliques homéricos. Mas por conta dos artigos 11 e 13, criados e aprovados pela União Europeia, em especial o último, eu vi um festival de chilique, chororô, mimimi e clickbait a rodo do YouTube e de youtubeiros famosinhos como jamais tinha visto. Tanto que se pesquisar por artigo 13 no seu buscador favorito (não existe só Google como buscador, sabiam?), vai aparecer os youtubeiros retardados de sempre, com cara de mongoloide, de sempre, falando sobre isso. Façam por sua conta e risco. Não me responsabilizo.

Sim, eu sei que um monte de gente já falou sobre esse assunto, mas só agora que consegui um tempo para escrever um texto sobre ele. Com licença?

Sempre quando YouTube e youtubeiros têm chiliques assim, a razão é a mesma. Mexeram, ou mexerão, no órgão mais sensível deles: O bolso. E é mais uma situação em que os youtubeiros veem que vão ter de largar a Internet e procurar emprego. Se bem que alguns deles falaram que não precisam mais do youtube, nem trabalhar (aham. Sei), já que fazem vídeos porque amam fazê-los (aham. Sei), e estão preocupados com a Internet (aham. Sei).

Mas o chilique é justificável? Vamos ver o que são esses tais de artigo 11 e artigo 13. Pela ordem, começando pelo artigo 11:

Artigo 11º
Proteção de publicações de imprensa no que diz respeito a utilizações digitais

1.Os Estados-Membros devem conferir aos editores de publicações de imprensa os direitos previstos no artigo 2.º e no artigo 3.º, n.º 2, da Diretiva 2001/29/CE relativos à utilização digital das suas publicações de imprensa.

2.Os direitos a que se refere o n.º 1 não prejudicam os direitos conferidos pela legislação da União a autores e outros titulares de direitos, no que se refere às obras e outro material protegido que integram uma publicação de imprensa. Tais direitos não podem ser invocados contra os autores e outros titulares de direitos e, em particular, não podem privá-los do direito de exploração das suas obras e outro material protegido de forma independente da publicação de imprensa em que estão integrados.

3.Os artigos 5.º a 8.º da Diretiva 2001/29/CE e a Diretiva 2012/28/UE são aplicáveis, mutatis mutandis, no respeitante aos direitos previstos no n.º 1.

4.Os direitos previstos no n.º 1 caducam 20 anos após a publicação da publicação de imprensa. O prazo é calculado a partir do primeiro dia de janeiro do ano seguinte à data de publicação.

Resumindo, se você quiser referenciar uma notícia (linkar, para ser mais direto), você vai ter que ter autorização desses sites noticiosos. Parece até o Rupert Murdoch, que queria que pagassem para linkar suas notícias.

Sinceramente, eu não entendi porque tantos ficaram revoltados com esse artigo. Na maior parte das vezes, esses grandes portais de notícias que você teria de ter autorização para colocar um link para eles são pertencentes a grandes grupos midiáticos, que possuem jornais de grande circulação, revistas de grande circulação ou grandes redes de televisão. E não são os youtubeiros que dizem que não se importam com esses grandes grupos midiáticos? Não são os youtubeiros que gostam de chamar esses grandes grupos midiáticos, com um certo tom de desdém e até mesmo de nojo, de "velha mídia"? Não é o gado que segue esses youtubeiros que não veem e não dão audiência para a imprensa-golpista-burguesa-conservadora-reacionária-autoritária-malvada-feia-chata-boba-elitista-racista-branca-de-olhos-azuis vinculada e que faz parte da #globolixo (e se os dois lados do lupanar estão descontentes contigo, é porque você está fazendo um ótimo trabalho)? Se os youtubeiros (e o gado que os segue) estão pouco se fodendo para esses gigantes midiáticos, por que a revolta com esse artigo?

Se os youtubeiros (e o gado que os segue) tocam um foda-se para os grandes grupos midiáticos (como dizem que tocam), por que toda essa preocupação? Se eles tanto detestam e têm ódio por esses grandes grupos midiáticos, esse artigo é uma ótima forma de deixar eles se foderem. Com a visitação a esses portais de notícias minguando cada vez mais e mais, eles vão acabar vendo a furada que é esse artigo e vão correr para anular esse artigo. Mas isso se eles odeiam e tanto desprezam esses grandes portais de notícias e esses grandes grupos de mídia (o que não está parecendo).

E agora vamos ao artigo 13, e a melhor e mais divertida parte do texto.

Artigo 13º
Utilização de conteúdos protegidos por prestadores de serviços da sociedade da informação que armazenam e permitem o acesso a grandes quantidades de obras e outro material protegido carregados pelos seus utilizadores.

1.Os prestadores de serviços da sociedade da informação que armazenam e facultam ao público acesso a grandes quantidades de obras ou outro material protegido carregados pelos seus utilizadores devem, em cooperação com os titulares de direitos, adotar medidas que assegurem o funcionamento dos acordos celebrados com os titulares de direitos relativos à utilização das suas obras ou outro material protegido ou que impeçam a colocação à disposição nos seus serviços de obras ou outro material protegido identificados pelos titulares de direitos através da cooperação com os prestadores de serviços. Essas medidas, tais como o uso de tecnologias efetivas de reconhecimento de conteúdos, devem ser adequadas e proporcionadas. Os prestadores de serviços devem facultar aos titulares de direitos informações adequadas sobre o funcionamento e a implantação das medidas, bem como, se for caso disso, sobre o reconhecimento e a utilização das obras e outro material protegido.

2.Os Estados-Membros devem assegurar que os prestadores de serviços a que se refere o n.º 1 estabelecem mecanismos de reclamação e recurso para os utilizadores, em caso de litígio sobre a aplicação das medidas previstas no n.º 1.

3.Os Estados-Membros devem favorecer, sempre que adequado, a cooperação entre os prestadores de serviços da sociedade da informação e os titulares de direitos através de diálogos entre as partes interessadas com vista a definir melhores práticas, tais como tecnologias adequadas e proporcionadas de reconhecimento de conteúdos, tendo em conta, entre outros, a natureza dos serviços, a disponibilidade das tecnologias e a sua eficácia à luz da evolução tecnológica.

Resumindo, o que o artigo 13 diz é que tudo quanto é site deve impedir que se grave neles qualquer tipo de material protegido por direitos autorais sem a autorização de seus criadores; tudo quanto é site deve ter um canal de comunicação para reclamação,  no caso de algum usuário gravar qualquer tipo de material protegido por direitos autorais sem o consentimento de seus criadores; e tudo quanto é site deverá cooperar no conflito de interesses entre seus usuários e os detentores de direitos autorais, além de, na medida do possível, criar mecanismos para reconhecimento de materiais protegidos por Copyright. Resumindo ainda mais, NÃO É PARA USAR MÚSICA, VÍDEO, FILME OU QUALQUER OUTRO MATERIAL PROTEGIDO POR DIREITOS AUTORAIS. Como aliás, nunca pode. Exatamente. Nunca pode fazer. Sim, é só isso o artigo 13. Pura e simplesmente isso.

Ah!! Mas o YouTube já possui um sistema de verificação de direitos autorais.

Sim, de fato possui. É o ContentID, que funciona muito bem para os abençoados por Deus. Já para os pagãos e ateus o ContentID funciona muito bem para notificar violação de copyright por uso de composições de autoria própria, ou por uso de músicas de domínio público ou de uso livre e irrestrito, ou por uso de vídeos da NASA (que são de domínio público. Como tudo que é feito pela agência) alegando que é material da National Geographic. Vou falar mais para frente sobre o robozinho do VocêTubo.

Sim. A defesa de direitos autorais foi o que causou o grande chilique dos youtubeiros. Chilique esse que foi alimentado (e muito) por um e-mail com uma mensagem altamente alarmista e apocalíptica do YouTube anunciando o Armageddon. E os youtubeiros, obviamente, compraram o FUD do Tubo (até porque, estão defendendo o deles). Aliás, uma coisa engraçadíssima nesse chilique todo foi ver o YouTube e esse bando de youtubeiros retardados, cheios da mais pura arrogância e da mais pura USI falando e pronunciando-se como se eles fossem A Internet. Falando e se pronunciando como se não houvesse nada mais na Internet, além deles. A arrogância desse pessoal é uma coisa inacreditável. Até Gregory House ficaria revoltado com isso.

Claro que nessa histeria toda tinham que entrar em cena os anarcocapitalistas. Afinal, tudo quanto é acontecimento, essas attention whores têm de aparecer para divulgar a ideologiazinha cretina, imbecil e retardada deles. Para os nossos amigaynhos liberotários anarcomongoloides retardados débeis mentais filhotinhos de Daniel Fraga que, não contentes em dizer que a pessoal tem todo o direito de não se vacinar e que o Estado não deveria obrigar ninguém a tomar vacina, ficaram propalando a estupidez, necedade, imbecilidade, estupidez, babaquice, retardo mental de que não existe propriedade intelectual. Só são contra direitos autorais e propriedade intelectual inúteis que nunca produziram uma música pouco mais complexa que "dó-ré-mi-fá", ou que a única coisa de audiovisual que fizeram foram as gravações do celular, ou que nunca escreveram nada mais complexo do que comentários cretinos pela Internet, ou que nunca fizeram um software mais complexo que um script que calcula fatorial.

Ainda sobre essa de "não existir propriedade intelectual", apareceu em cena também os retardados e mongoloides que fazem parte daquele lixo asqueroso chamado Instituto Mises. Gozado que esse pessoal é contra socialismo, comunismo e toda e qualquer ideologia de esquerda, defendem o modo privado dons bens de produção e defendem a propriedade. Mas só quando convém. Porque quando convém também, dão uma de Proudhon (a propriedade é um roubo!!) e dão ouvidos a pensadores e teóricos da esquerda.

Inclusive houve até liberaloides liberalecos, desses que odeiam todo e qualquer tipo de intervenção e intromissão estatal onde e no que quer que seja, querendo que se crie leis ou que o judiciário entre nessa questão. Ou seja, liberaloides liberalecos querendo que o Estado se intrometa numa questão que é puramente privada, convenhamos. Estado mínimo no cu dos outros é refresco. E quando convém, socialismo, comunismo, estatismo, esquerdismo são muito bem vindos.


Aliás, uma coisa legal que o YouTube está conseguindo é fazer direitinha ter grandes rompantes chiliquentos com o fato de uma propriedade privada fazer o que bem entender nela e ficar revoltado com anunciantes que não querem anunciar nos seus vídeos (em outras palavras, ficar puto com grandes capitalistas). Assim como está fazendo esquerdinha defender coisas como livre mercado e propriedade privada. Mais uma vez, quando convém...

E para complementar à ópera-bufa que foi esse chilique, um monte de crianças e adolescentes de 35 anos disseram que vão fazer revolução armada (isso não é coisa de terrorista?), vão matar tudo quanto é político (só os que eles não gostam) e vão iniciar a terceira guerra mundial. Ou seja, pode faltar saúde, educação, segurança, emprego, água, saneamento, remédios, transporte, vacina, ciência, comida, ética, moradia, transparência, moralidade, justiça, limpeza, honestidade, vergonha na cara, tecnologia. Só não pode mexer na Internet.

Mas nem todo mundo comprou esse FUD aí do Tubo. Eu fui um daqueles que não comprou esse apocalipse anunciado pelo tubo (como dá para ver por este textão). Além disso, o professor André, que já sofreu horrores com o robozinho burro e ignorante do Content ID também não comprou esse apelo ao medo do Tubo (versão em texto e versão em vídeo). E, com surpresa zero de minha parte, o Maurício Ricardo, que sofre com o pessoal que rouba (sim, é essa a palavra que eu queria dizer. ROUBO. E foda-se o politicamente correto ou se você ficou ofendidinho) as charges dele e que fatura com o trabalho dele (bem como o YouTube também fatura horrores) e ele não vê um centavo dessa grana e além disso é outro que sofre com o robozinho ignorante do Tubo que não reconhece os trabalhos dele, bem como sofre com o descaso do Tubo, foi outro que também não seguiu todo esse Argumentum ad metum, ou Argumentum in terrorem do site (quid latine dictum sit, altum sonatur) e fez um vídeo de apoio ao artigo em que ele diz basicamente o seguinte: "Vai se fuder youtube, artigo 13, venha di cum força, seu lindo".

Alguns poucos até tentaram argumentar. E o argumento mais usado por esse pessoal é o de que, com esse artigo posto em prática, quem que garantiria que o negócio não escalaria e não começariam a perseguir materiais políticos? Afinal de contas, é um direito inalienável o cidadão espalhar mentiras e ódio pela Internet manifestar-se politicamente. Bom, em nenhum momento ambos os artigos falaram sobre distinção entre materiais. Mas olhando melhor, para quem usou e abusou do apelo ao medo, por que não usar de mais falácia e usar do declive escorregadio, não é verdade?

E ainda faltou falar dos freedom fighters, os guerreiros da liberdade, o pessoal que ficou extremamente puto com esses artigos extremamente autoritários e censuradores da União Europeia e que queriam que os canais tal, tal, tal e tal levassem strike e fossem apagados, banidos e defenestrados do YouTube porque... eles não gostam dos canais e não concordam com o que eles dizem. Mas a União Europeia que é a autoritária e censora, tá? Que isso fique bem claro.

Com tudo isso que foi dito (na verdade, que foi escrito), o que mais eu teria a dizer é: Não, o YouTube não vai acabar (ao menos não vai acabar por conta disso). Não, as redes sociais não vão acabar. Não, os blogs não vão acabar. Não, EM HIPÓTESE ALGUMA, a Internet vai acabar. O que vai acabar são os youtubeiros. Ou melhor, alguns deles, que sempre faturaram horrores com o roubo do trabalho alheio (bem como o YouTube que também sempre faturou com esse roubo).


Quem sabe com esses artigos (especialmente o artigo 13) o pessoal comece a ver que existe Internet para muito além dos jardins murados da redes sociais, como diz o professor Sérgio Lima. Em especial os jardins murados do YouTube e do facebosta. E os links que eu deixei pelo texto mostram que há Internet para muito além desse duopólio.

Quem sabe até mesmo os blogs ressuscitem e voltem a ser lidos (não exagera Lucho!!).

E para os youtubeiros que estão vendo que vão ter que trabalhar, vocês ao menos sabem manipular uma espátula? Ou empurrar um carrinho de pipoca?

Pronto. Acabou o textão. Podem xingar.
 

Eu sei de onde você é

Duvida? Então toma esta:


Graças ao IPAddressLocation.org

Últimos textos.

Feeds do blog

Assine o feed do blog
Assine o RSS.

Insira seu e-mail:

Delivered by FeedBurner

Histórico

Texto aleatório

ALEA IACTA EST